Artigos

Consumidor é indenizado em R$ 8.000,00 por disparo de sirene em loja de departamentos.

O juiz Cláudio Augusto Marques de Sales do juizado especial cível de Horizonte - região metropolitana de Fortaleza condenou a loja de departamento Riachuelo por causa da conduta abusiva de seus funcionários ao abordar um cliente após o disparo de uma sirene anti furto.

 

Segundo os autos, um servidor público na presença de sua família após efetuarem suas compras foram surpreendidos com o disparo de uma sirene de segurança quando passavam pela porta de saída da loja. Neste momento, funcionários da empresa se dirigiram ao local e obrigaram com que os clientes provassem por meio das notas fiscais que pagaram por todos os produtos que estavam em suas sacolas.

 

A abordagem foi realizada de modo desproporcional, como se fosse uma revista policial nos envolvidos, fato este que extrapolou o limite do bom senso, até mesmo porque foi feito na presença de outras pessoas que transitavam pela loja.

 

Por não conseguir provar no processo que a conduta de seus funcionários foi adequada, a loja de departamento foi condenada a indenizar as pessoas envolvidas no caso em R$ 8.000,00.

 

Este tema "disparo de sirene" é bastante controverso entre os estudiosos da matéria, mas os Tribunais brasilieiros já se posicionaram no sentido de que somente é passível de dano moral a conduta dos funcionários da loja que abordarem de modo inadequado os consumidores que passaram por situação semelhante, logo, a atitude dos seguranças e atendentes da loja devem ficar atentos ao procedimento para não expor os clientes a constrangimentos desnecessários.

 

No caso de disparo de sirene, os funcionários da loja devem se desculpar pelo ocorrido e pedir para que o consumidor se dirija até o caixa para retirar o detector da mercadoria que fez com que a sirene disparasse, sempre com muita cordialidade para não constranger seus clientes, portanto, caso a conduta não seja essa, exija seus direitos.

Erro ao enviar o e-mail
Email Enviado Com Sucesso!